C.E.C A Nossa Casa

Informações de Contato

  • End: Rua Rodrigo César de Meneses, 59 – Belenzinho – 03020-040 – São Paulo – SP
  •  Tel: (11) 2292- 6875
  •  Email: anossacasa@bompar.org.br
  •  Faixa Etária: 6 a 14 anos
  •  Numero de atendidos: 120

Descrição

Irmã Myriam de França Miranda, natural do Rio de Janeiro, religiosa do Sagrado Coração de Maria, contemporânea de Dom Luciano, destacou-se como educadora lecionando Latim, Português e Francês no Colégio Sagrado Coração de Maria do Jardim Europa. Depois, com a opção da igreja e da congregação pelos pobres, trabalhou em Osasco, em colaboração com os padres operários. Esteve também em Pirituba e logo, a convite de Dom Luciano de Almeida atuou na região Belém, até seu falecimento.

Ajudou na formação das escolas da Fé da Região e da Pastoral dos Cortiços. Como necessidade dessa pastoral, formou a Pastoral da Moradia dos Cortiços. Esteve à frente do mutirão de moradia do Casarão localizado na Avenida Celso Garcia. Irmã Myriam foi pioneira, profética, em relação a luta por moradias na região do Brás e adjacências. Ela se colocou a frente, sem medo, na defesa desse povo que era despejado a toda a hora, que não tinha trabalho, que passava fome, que vivia em situação muito precária em relação à moradia, saúde, educação e lazer.

Dom Luciano disponibilizava os seminaristas para ajudá-la nesta causa e assim eles aprendiam com ela a trabalhar em equipe na visitação as famílias que viviam à margem da pobreza, residindo em cortiços e vendo as crianças perambulando pelas ruas do Brás, foram convidando uma a uma a entrar na Casa da Pastoral dos Cortiços.

Em 14 de abril de 1985, após estar à frente da Pastoral da Moradia dos Cortiços na região do Brás e vendo a necessidade daquelas famílias, deu-se inicio ao Projeto A Nossa Casa “Pastoral dos Cortiços”, com o objetivo de ocupar essas crianças e lhes ensinar algo que os interessassem. Assim, iniciou a A Nossa Casa, obra de seu coração maternal.

Irmã Myriam foi uma brilhante aluna do colégio Sacré-Coeur de Marie do Rio de Janeiro e também da Faculdade Sedes Sapientiae de São Paulo, dirigida pelas Cônegas de Santo Agostinho. Fez o Curso neo-latinas. Foi secretaria das reuniões de Dom Paulo com os Bispos da Arquidiocese de São Paulo. Foi para escola da Fé, na Suíça, onde passou dois anos estudando a bíblia. Seu último grupo de bíblia estava sendo na paróquia da Rua Taquari, onde em 2003 comemorou bodas de ouro; 50 anos de serviço e dedicação a Deus em favor dos pobres. Com seu jeito sempre muito sério, só quem realmente a conhecia percebia seu lado maternal, acolhedor, cheio de afeto, ternura, dedicação e sua preocupação com o outro. Com sua dedicação em servir aos necessitados irmã Myriam conseguiu mobilizar a comunidade, o entorno e as pessoas por onde andava a escola da Fé, na qual ministrava aulas de bíblia. Lá mobilizou diversas pessoas para serem voluntários na Pastoral dos Cortiços, hoje C.E.C. A Nossa Casa, ela sempre manteve este trabalho com poucos recursos, sobrevivendo por vários anos com recursos cedidos através de doações, além da ajuda das Missionárias Servas do Espirito Santo e de sua congregação: Colégio Sagrado Coração de Maria. Esses voluntários eram orientados por irmã Myriam onde ficavam com as crianças que a irmã via perambulando pelas ruas, aqui essas crianças se sentiam amparados, guiados e com uma direção, um acolhimento, sem igual, tanto que este trabalho logo recebeu o nome de “A Nossa Casa”.

Ir. Myriam por toda sua expertise foi convidada para auxiliar a congregação na Casa Mãe na França em 2004, mesmo de longe jamais deixou de ligar, orientar e se preocupar com a obra de seu coração. Precisou retornar a São Paulo em 2005 para cuidar de sua saúde na qual em 02 de novembro de 2005 veio a falecer.

Hoje o C.E.C. A Nossa Casa, norteado por seus princípios segue dando continuidade a esta obra, atendendo a 120 crianças e adolescentes no bairro Belenzinho em São Paulo, seguindo os ideais de seus fundadores Myriam de França Miranda e Dom Luciano Mendes de Almeida, primando a Missão e Valores que norteiam o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto, cumprindo -se assim o: “Para que todos tenham vida”.